Em reunião com Bolsonaro, Marcos Pereira descarta alinhamento automático ao governo

BOLSONARO (B) 2018_12_04-5228

Na primeira reunião entre a bancada de deputados federais do PRB e o presidente da República eleito, Jair Bolsonaro (PSL), Marcos Pereira afirmou que o partido não estará alinhado automaticamente ao governo, mas reconhece uma confluência de pelo menos 80% nas pautas defendidas por Bolsonaro e pelo partido.

O encontro ocorreu hoje (4) no Centro Cultural do Banco do Brasil, em Brasília, sede do governo de transição, e reuniu todos os deputados do PRB, atuais e os eleitos, além de futuros ministros já anunciados e do líder da legenda na Câmara, deputado Celso Russomanno (SP).

Bolsonaro e o ministro Extraordinário Onyx Lorenzoni (DEM) fizeram uma breve explanação sobre como será a condução do governo. Eles afirmaram que não haverá indicações de partidos para cargos e funções públicas em troca de apoio no Congresso Nacional, mas não descartaram que eventuais convites possam ocorrer por critérios técnicos.

“Posso não saber a chave do sucesso, mas a do fracasso é continuar fazendo a mesma coisa”, disse o presidente eleito sobre o balcão de negócios entre o governo e o parlamento. “O Brasil está mergulhado numa profunda crise ética, moral e econômica. Não vou fazer nada pensando em reeleição”, garantiu Bolsonaro.

Lorenzoni disse que o “presidencialismo de coalizão” perdeu o respaldo da sociedade. Ele disse ainda que o o governo “não será uma prova de 100 metros, mas uma maratona” e fez um convite ao PRB para ajudar a “construir algo diferente”.

“A fala de vocês soa como música aos meus ouvidos”, disse Marcos Pereira ao aprovar a iniciativa de acabar com o que ficou conhecido como “toma-lá-dá-cá”. Ele disse também que trabalha para que o Brasil dê certo, criticou o corporativismo e antecipou que “se queremos mudar o País algumas medidas serão amargas”.

Bolsonaro, Lorenzoni e Marcos Pereira destacaram a importância da aprovação das reformas, especialmente a da Previdência, porém o presidente do PRB reservou ao partido e à bancada o direito de discutirem com profundidade as propostas que serão enviadas ao Parlamento.

Líder do PRB na Câmara, o deputado federal Celso Russomanno destacou a importância da segurança jurídica no Brasil. Ele apontou que esse problema costuma ser entrave no momento de decisão de novos investimentos por parte de empresários brasileiros e estrangeiros.

Russomanno elogiou a decisão de não haver trocas de cargos por votos. “Esse é o processo democrático. Essa troca de cargos não é boa. Toda vez que o presidente (da República) tem que demitir um ministro, fica amarrado porque o partido faz parte da base de sustentação”, completou.

Mudança de programa do PRB

Ao longo de 2017 e 2018, um grupo de trabalho foi formado por sugestão de Marcos Pereira para reavaliar o programa do PRB e discutir temas específicos para nortear o partido. “Avaliamos inclusive mudar o nome do partido, mas entendemos que mudar o nome sem mudar o comportamento não resolveria”, disse o líder do PRB.

Ele disse isso ao exemplificar que o PRB não seria base de qualquer governo com base em troca de cargos. Marcos Pereira afirmou que nem teria um encontro semelhante ao de hoje se o presidente eleito tivesse sido Fernando Haddad (PT). “Não seremos governo em troca de vantagens nem oposição inconsequente. Queremos ajudar o Brasil a avançar e fortalecer o parlamento para que a sociedade se orgulhe novamente dos seus representantes”, finalizou.

O novo programa do PRB deve ser apresentado no ano que vem.

Texto: Diego Polachini 
Foto: Renata Duvirgem

Comentário(s)

Comentário(s)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.