Russomanno propõe liberação da fosfoetanolamina

Russomanno_propoe_liberacao_da_fosfoetanolaminaO deputado republicano Celso Russomanno (PRB-SP) apresentou o Projeto de Lei 4558/2016 para permitir a produção e a distribuição da substância fosfoetanolamina, em caráter excepcional, mesmo sem registro em órgão competente.

De acordo com a proposta, ficam autorizados a fazer uso da substância portadores de câncer, mediante laudo médico e que assinem termo de responsabilidade.

“O Ministério da Saúde prevê que os testes estejam completos em 2 (dois) anos, isto é, em meados de 2017. Isto quer dizer que os pacientes só terão acesso ao medicamento, se tudo der certo, em 2018. Levando-se em conta que no Brasil morrem cerca de 90 mil pessoas anualmente vítimas de câncer, estaríamos levando esperança, no mínimo, a cento e oitenta mil pessoas”, argumenta o parlamentar.

Em seu projeto, Russsomanno, também sugere que não só os órgãos autorizados pelo Ministério passem a produzir a substância, mas também outras instituições ou pesquisadores que tenham capacidade de sintetizar a fosfoetanolamina. “Essa medida de caráter temporário e excepcional busca permitir que pacientes possam, por iniciativa própria, ter acesso a esse tratamento e que as instituições não sejam criminalizadas por distribuí-lo. Lembro aqui do coquetel anti HIV, aids, que nos anos 80 era proibido nos Estados Unidos, por não ter autorização da agência reguladora, era contrabandeado por pessoas que só queriam ter uma oportunidade, e que hoje salva a vida de milhares de pessoas”, defende.

Saiba mais

Os estudos com esta substância foram iniciados no começo dos anos 90 pelo Professor Gilberto Chierice e sua equipe no Instituto de Química de São Carlos – USP. A 1ª fase dos estudos sobre essa nova arma contra o câncer iniciaram-se em novembro de 2015 e tem sua conclusão prevista para junho de 2016.

O artigo 12 da lei 6.360/76, que dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam sujeitos os medicamentos, impede que produtos não registrados junto ao Ministério da Saúde sejam produzidos no país. “O Instituto de Química de São Carlos, da Universidade de São Paulo, onde eram desenvolvidos estudos sobre a fosfoetanolamina, expediu uma norma que determinava que sua produção e distribuição por pesquisadores só poderia ser realizada mediante a prévia apresentação das devidas licenças e registros expedidos pelos órgãos competentes”, acrescenta Russomanno.

 
Por Mônica Donato (Ascom Liderança do PRB)
Foto: Douglas Gomes 

 

Comentário(s)

Comentário(s)

3 comentários em “Russomanno propõe liberação da fosfoetanolamina

  1. Sr Dr Celso Russumano

    Confio na sua competência e determinação. Minha ultima esperança está na fosfoetanolamina, pois sei que se ela não cura, dá ao paciente uma qualidade de vida melhor. Até mesmo os que falecem tomando a fosfo, têm uma passagem melhor, sem dor, sem sofrimento

    Desde já, grata

    Marilena

  2. queria que fosse o mas rapido possivel , o medico deu apenas 3 meses de vida pra minha mae , entao nao da pra esperar ate 2018 , pelo amor de Deus liberem .

  3. Porque ainda não foi liberado esse remédio. .será q tem eficácia a gente pede p médico dar a receita desse remédio ele só responde q esse remédio não foi aprovado fala q não faz efeito nenhum contra o câncer, meu marido sofre de um câncer chamado carcinoma. ..não tem remédio p o tipo de tomor dele q tem várias mutações. ..por favor me deem respostas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.